O Observatório da Questão Agrária tem o objetivo de compreender e monitorar a ofensiva do capital financeirizado sobre os bens naturais e estruturar as cadeias produtivas do agronegócio no Brasil. Pesquisador responsável: Matheus Assunção.


A cartilha Tecnofusões comestíveis oferece um retrato dos principais atores em 10 setores do sistema alimentar: sementes, agroquímicos, fertilizantes sintéticos, maquinários para o agronegócio, fármacos animais, genética e pecuária, comerciantes de commodities agrícolas, processamento de alimentos e bebidas, indústria de carne / proteína e varejo de alimentos.


Como se organiza a estrutura produtiva que atua no campo brasileiro? Como se divide as classes sociais no meio rural e qual sua porcentagem em relação à renda, produção e quantidade de unidades agrícolas e hectares?


Graças à manipulações midiáticas, foi criada a ideia de que agora, na agricultura, toda a produção é transgênica e, portanto, melhor. Porém, dos 1,5 bilhões de hectares cultivados no mundo, apenas 190 milhões utilizam sementes transgênicas, ou seja, apenas 13% da área total. Dos 193 países com população no meio rural, somente 29 adotam sementes transgênicas.


As transnacionais do agronegócio e os bancos têm desenvolvido tecnologias para aprofundar o controle sobre a produção e os territórios, a chamada agricultura 4.0. A União Europeia pretende criar mecanismos para monitorar as operações de importações de produtos agrícolas oriundos de áreas de desmatamento. Paralelamente, empresas do agronegócio e do mercado financeiro criam fundos de investimento para desenvolvimento de projetos “sustentáveis”.