A Pesquisa dos Neopentecostais na Política tem o objetivo de entender quais são as principais motivações (objetivas e subjetivas) que levam as pessoas a seguirem as igrejas neopentecostais, os métodos utilizados por essas lideranças para atrair e manter o crescimento constante do número de fiéis e quais lições a esquerda deveria aprender com esse fenômeno. Pesquisadores responsáveis: Delana Corazza e Marco Fernandes.


O culto online foi a resposta possível que as igrejas evangélicas construíram para manter a relação entre pastores e comunidade; porém, a necessidade da igreja para os trabalhadores periféricos vai além das palavras pregadas, já que não abarca as demandas subjetivas da classe empobrecida.


Igrejas e pastores prometem curar do coronavírus; dificuldades financeiras das igrejas e a pressão para a realização de cultos; nomeação de André Luiz Mendonça para o Ministério da Justiça aproxima ainda mais o setor evangélico com o governo; movimento progressista evangélico pede a cassação da chapa Bolsonaro-Mourão.


A pandemia tem fragilizado as instituições mais caras ao capitalismo globalizado, mas será que ela também pode afetar o fundamentalismo evangélico?


O crescimento da religião pentecostal representa o fortalecimento ideológico do neoliberalismo e a conjuntura extremamente desfavorável para as forças progressistas na disputa pela narrativa da história.