BNDES apresenta socorro às companhias aéreas, podendo desembolsar R$ 2 bilhões por empresa.

 

São Paulo, 19 de setembro de 2020
Nº 016/20 – semana 3

 

Síntese:  A atividade econômica mundial vem apresentando resultados positivos, ainda que lentos. A produção industrial na EU cresceu 4,1% em julho. Na China as vendas no varejo tiveram um aumento de 0,5%, enquanto na produção industrial esse salto foi de 5,6% em agosto. Segundo a OCDE, a previsão de queda do PIB agora está em -4,5%, ante -6,0% em um cenário anterior. Na disputa entre China e EUA, a OMC decidiu que as tarifas dos EUA contra o país asiático eram discriminatórias; com isso, a negociação pelo aplicativo TikTok pode ir para as mãos da Oracle, mas com participação majoritária ainda da chinesa ByteDance. Na Argentina, o governo estabeleceu um imposto de 35% sobre compras no exterior para conter a queda das reservas do BC. No Brasil, os resultados do PIB de julho apresentaram um crescimento de 2,15%; no acumulado do ano está em -5,77%. O fim do Auxílio Emergencial em 2021 pode fazer com que PIB deixe de crescer 2,4%. A taxa Selic se mantém em 2,00%, embora o Banco Central avalie certa elevação da inflação por conta da pressão dos alimentos. Além do arroz, outros produtos como cenoura e tomate indicam crescimento em seus preços. O número de pessoas em situação de fome no Brasil aumentou para 4,6% no ano de 2018, com concentração entre pardos (58,1%) e mulheres (51,9%); é provável que esse quadro se agrave com a pandemia. A taxa de desemprego na última semana de agosto apresentou crescimento e fechou em 14,3%. Nas empresas, o consumo de bens industriais avançou 5,0% no mês de julho, mas ainda com queda de -10,1% no ano. O BNDES apresentou o socorro às companhias aéreas, podendo desembolsar R$ 2 bilhões por empresa. Na dinâmica das aquisições e mercado financeiro, o destaque é para a disputa pela compra da Lauret no setor de ensino superior, e a queda do valor das ações das empresas de tecnologia. No setor do agronegócio, o Valor Bruto da Produção teve um aumento de 10,1% no ano, e a agroindústria teve um crescimento da produção de 4,4% em julho. As empresas de beneficiamento e comercialização do arroz, diante do aumento dos preços do produto, tem apresentado um elevado crescimento nas receitas e lucro. A empresa Camil, por exemplo, teve um aumento de 120% nos lucros até o mês de maio. A participação da indústria brasileira no mundo caiu para 1,19% no ano de 2019; em 2020 era de 2%.

 

INTERNACIONAL

1. A produção industrial na União Europeia e zona do euro teve um crescimento de 4,1% entre junho e julho, segundo o eurostat. Comparado ao mesmo mês do ano anterior, a queda foi de -7,7% na EU e -7,3% na zona do euro. A produção de bens de capital foi de 5,3%, de bens de consumo de 4,7%, de bens de consumo não duráveis de 3,9% e de bens intermediários de 4,2%

2. Na China, as vendas no varejo de bens de consumo tiveram um aumento de 0,5% no mês de agosto; a queda no acumulado do ano ainda está em -8,6%. Já a produção industrial no mês de agosto teve um crescimento de 5,6% em relação ao mesmo período do ano anterior, e um crescimento de 0,5% em relação ao mês de julho de 2020. No acumulado do ano o crescimento já é de 0,4%.

3. Os bons resultados da atividade econômica da China e EUA no primeiro semestre, bem como a resposta dos governos em larga escala no combate à pandemia, ajudou na redução da previsão global para o PIB deste ano. Segundo a nova pesquisa da OCDE, a queda pode ficar em -4,5%, ante os -6% do cenário anterior. A previsão de crescimento para o PIB de 2021 é de 5%. A organização reforça que contrair a política fiscal nesse momento pode ser um erro, e que é preciso manter uma política fiscal ativa para conter os impactos da Covid-19.

4. As negociações para uma parceria tecnológica entre as empresas chinesa ByteDance e a estadunidense Oracle, com o objetivo de manter o aplicativo TikTok ativo nos EUA, estão avançando. O acordo terá que passar pela aprovação do governo dos EUA; Trump está acompanhando de perto essa negociação, já que o fundador da Oracle é um dos principais apoiadores do presidente. O controle majoritário ainda seria da ByteDance.

5. O painel da OMC decidiu que as tarifas dos EUA contra a China eram discriminatórias e excessivas. Os EUA tinham imposto uma sobretaxa às importações da China, reclamando de práticas relacionadas à transferência de tecnologia, propriedade intelectual e inovação. Por conta disso, o ataque dos EUA a OMC se intensifica, defendendo uma reforma na instituição.

6. O governo Argentino estabeleceu um imposto de 35% sobre as compras no exterior com cartão de crédito e débito, seja em moeda estrangeira ou a compra de dólares em si. A política busca evitar o esvaziamento das suas reservas no Banco Central no curto prazo.

 

CRESCIMENTO ECONÔMICO BRASILEIRO

7. O PIB brasileiro teve um crescimento de 2,15% em julho comparado ao mês de junho de 2020; em relação ao mesmo mês do ano anterior, a queda foi de -4,89%. No acumulado do ano a variação é de -5,77%, segundo os dados do Índice de Atividade Econômica do Banco do Brasil (IBC-Br). O crescimento de julho foi aquém do esperado, mas reforça o crescimento já assistido em junho, quando houve variação de 4,89% em relação a maio. Segundo o Boletim Focus, a previsão do PIB 2020 é de -5,11%; na semana passada estava em -5,31%, e há um mês em -5,52%.

8. O fim do Auxílio Emergencial em 2021 pode fazer com que o PIB perca 2,4% do seu crescimento. Se fosse oferecido um auxílio de R$ 250 para 25 milhões de pessoas no ano que vem, o impacto negativo reduziria para 1,9%, segundo estimativas da MB Associados. A previsão afirma ainda que a queda para este ano do PIB seria de 7,1%, caso o Auxílio Emergencial não tivesse sido aplicado.

 

CRÉDITO, DÍVIDA E JUROS

9. A última reunião realizada essa semana pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central manteve a taxa Selic em 2,00% ao ano. O relatório aponta que o cenário externo ainda se mostra incerto nas principais economias, com desigualdade da recuperação entre os setores. No Brasil há uma recuperação parcial. Os setores mais atingidos pelo distanciamento social permanecem deprimidos, mas observa uma recomposição da renda geral pelos programas do governo. Com isso, a inflação deve elevar no curto prazo por conta do aumento do preço dos alimentos, mas ainda abaixo dos níveis que julgam compatíveis para o cumprimento da meta. A expectativa da inflação para 2020 é de 1,9% (na última reunião era de 1,6%) e de 3,0% para 2021. A taxa de câmbio se mantém em R$ 5,30/US$

 

CONTAS PÚBLICAS

10. O último relatório da Instituição Fiscal Independente (IFI) apontou que o governo teria que fazer um corte de mais de R$ 20,4 bilhões em despesas discricionárias, caso queira manter o teto do gasto.

11. A dificuldade da equipe econômica em achar caminhos para o financiamento do projeto Renda Brasil sem abandonar o teto dos gastos, fez com que o governo voltasse atrás com o projeto responsável em substituir o Bolsa Família. As propostas da equipe iam desde o fim do abono salarial até o congelamento da aposentadoria e pensões por dois anos, além de restrição ao seguro desemprego.

 

INFLAÇÃO E ALIMENTOS

12. A cenoura e o tomate também apresentaram aumento dos preços nas principais centrais atacadistas no mês de agosto, segundo a Conab. O valor do tomate subiu 128,72% em Vitória (ES), 49,22% em Goiânia (GO), 37,11% no Rio de Janeiro (RJ) e 30,5% em São Paulo (SP). Em Recife (PE) teve queda de -19,21%. A cenoura variou desde um aumento de 61,73% em Goiânia e 30,21% em Recife, até uma queda de -7,83% em Fortaleza (CE). A batata e a cebola tiveram quedas em todas as principais centrais atacadistas.

13. No Brasil, 36,7% da população (25,3 milhões de pessoas) estava com algum grau de insegurança Alimentar entre 2017 e 2018, segundo pesquisa do IBGE. A Segurança Alimentar cobria 65,1% dos domicílios em 2004, 69,8% em 2009 e 77,4% em 2013. Nos últimos anos, porém, esse percentual caiu para 63,3% em 2017/2018. Nesse período, 4,6% da população estava em situação de fome (insegurança alimentar grave), um crescimento de 43,7%. Nas áreas rurais essa porcentagem estava em 7,1%. A maioria dessa população é composta por pardos (58,1%) e mulheres (51,9%). Não bastasse a fome, 33,4% das pessoas que sofrem de insegurança alimentar utilizam lenha e carvão no preparo dos alimentos. As despesas com Habitação e Transportes tem as maiores participações percentuais em todos os grupos. A taxa vinha caindo desde 2004, apresentando o indicador em 2013 de 3,6%

14. O impacto da pandemia e aumento do preço dos alimentos aponta para um crescimento da insegurança alimentar para este ano. Reportagem da Folha de São Paulo destaca que o Brasil pode voltar ao Mapa da Fome.

 

MERCADO DE TRABALHO E RENDA

15. O acordo da Volkswagen com os sindicatos de suas plantas fabris no Brasil está em aprovação pelos trabalhadores. A planta de São Bernardo do Campo aprovou uma proposta que prevê a abertura de um programa de demissões voluntárias (PDV) e estabilidade no emprego até 2025. O PDV pagará de 25 a 30 salários adicionais para quem aderir, a depender do tempo de casa. A empresa também negociou a autorização para o uso do afastamento temporário (layoff) do trabalho por até 10 meses, pagando 82,5% do salário líquido.

16. A quarta semana de agosto apresentou um total de 13,7 milhões de pessoas desempregadas. A taxa de desemprego está em 14,3%; na semana anterior era de 13,2%, segundo a PNAD-Covid19 do IBGE. A população fora da força de trabalho foi estimada em 74,4 milhões, ante as 75 milhões da semana passada. Desse total, 26,9 milhões gostariam de trabalhar. Da população ocupada, apenas 4,4% estavam afastadas por conta do distanciamento social. Na primeira semana de maio, esse percentual era de 19,8%.

 

EMPRESAS (INDÚSTRIA, COMÉRCIO, SERVIÇOS E AGRONEGÓCIO)

17. O consumo de bens industriais avançou 5,0% no mês de julho em relação ao mês de junho, segundo o indicador do IPEA. Esse indicador mede a produção industrial interna não exportada, acrescida das importações. Comparado ao mês de julho de 2019, a queda foi de 12,1%. No acumulado do ano, o recuo do consumo de bens industriais é de -10,1%. O resultado de julho de 2020 se deve ao crescimento de 5,4% da produção de bens nacionais e uma queda de -2,2% nas importações desses bens. O crescimento nos bens de consumo duráveis foi de 27,0%, dos bens de capital foi de 5,8%, de bens Intermediários de 4,2% e os de consumo semi e não duráveis um crescimento de 2,6%.

18. No último domingo (13), O BNDES apresentou o socorro às companhias aéreas com uma ajuda de R$ 2 bilhões para cada empresa. Isso fez com que as ações das empresas valorizassem. A ação da Azul, por exemplo, subiu 6,28%, e da Gol 7,29%.

19. As negociações em torno da compra das operações da americana Laureat, dona das faculdades Anhembi Morumbi e FMU, estão entre as principais notícias de concentração do segmento privado da educação. Na disputa estão as empresas Yduqs, a segunda maior do grupo de ensino superior e dona da Estácio, Ibmec, Facimp; a Ser Educacional, dona da UNG, Uninorte, Uninassau; e o grupo Ânima, dona da Universidade São Judas, Uma, UniBh.

20. As ações das empresas de tecnologia, que vinham apresentando um crescimento descomunal nesse período de crise, têm apresentado uma forte volatilidade com quedas bruscas nas bolsas de valores em Nova Iorque.

21. O Valor Bruto da Produção (VBP) Agropecuária teve um aumento de 10,1% no período acumulado de janeiro a agosto de 2020, comparado ao mesmo período de 2019, segundo estimativa do Ministério da Agricultura. Essa medida corresponde ao faturamento bruto auferido pelos produtores no país. Entre os produtos, a soja é a que lidera a VBP com um crescimento de 26,1% no ano de 2020, em relação a 2019.

22. A Agroindústria cresceu 4,4% entre junho e julho de 2020; o setor já vinha apresentando uma recuperação desde o mês de abril. Comparado a julho de 2019, a expansão foi de 1,5%, e significou a primeira variação positiva desde fevereiro deste ano, quando comparado ao mesmo mês do ano anterior, segundo o Índice de Produção Agroindustrial – FGV/Agro. A queda no acumulado do ano ainda é de -4,7%. Os produtos alimentícios no acumulado do ano apresentam um crescimento de 4,9%, puxado pelo subgrupo de alimentos de origem vegetal, com uma evolução de 14,4%.

23. A valor das ações das empresas Camil e a Josapar (dona da marca Tio João) tem apresentado uma valorização de mais de 50% e 30%, respectivamente. Essa valorização se deve ao aumento do preço do arroz e do feijão no mercado interno, em decorrência da expansão das exportações e do fraco estoque regulador público brasileiro. Embora exista mais de 40 mil produtores de arroz no Brasil, o processo de beneficiamento, comercialização e exportação se concentra em apenas 40 empresas. A receita da Camil aumentou em 40% e seus lucros cresceram 120%.

24. Em 2019, a participação da indústria brasileira no mundo foi de 1,19%. No ano anterior estava em 1,24%, e em 2010 era de 2,0%, segundo dados da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (Unido) organizados pelo Iedi.

 

ESPECIAL COVID-19

25. Até o momento, governo federal liberou R$ 197 bilhões para o Auxílio Emergencial, sendo realizados 281 milhões de pagamentos e beneficiando 67,2 milhões de pessoas, segundo a Caixa.

26. No monitoramento de gastos da União com o Covid-19, o Tesouro Nacional mostrou que já foram gastos R$ 410,3 bilhões (na semana passada foram R$ 379,7 bilhões) de uma previsão de R$ 574,3 bilhões (na semana passada era de R$ 570,7 bilhões). Os maiores valores foram com o Auxílio Emergencial a Pessoas em Situação de Vulnerabilidade (R$ 217,3 bi), Auxílio Financeiro aos Estados, Municípios e DF (R$ 73,82 bi), Despesas Adicionais do Ministério da Saúde e Demais Ministérios (R$ 34,54 bilhões) e Cotas dos Fundos Garantidores de Operações e de Crédito (R$ 42,9 bilhões).

Download as PDF