Mahavir Singh Bisht, Grafitti by Silo Shiv Suleman at Shaheen Bagh, New Delhi, 2020.

“Os cientistas estão errados”, disse o escritor uruguaio Eduardo Galeano com um sorriso caloroso no rosto. “Os seres humanos não são feitos de átomos; são feitos de histórias”. É por isso que queremos cantar e desenhar, contar um ao outro sobre nossas vidas e nossos sonhos. Esses sonhos – esta arte – são o que nos fazem levantar todos dias, sorrir e sair pelo mundo. Se caminharmos pelas ruas de Santiago (Chile) ou Bagdá (Iraque) ou Déli (Índia), veremos que as paredes e ruas se tornaram uma galeria de arte, que os locais de protesto se tornaram um auditório, que surgiram bibliotecas nas ruas, panfletos passam de mão em mão em meio ao vento frio da estação. Canteremos os poemas, para gritar em voz alta, e não sozinhos; essa é a realeza do protesto – cantaremos em um coro de estranhos que se tornam companheiros, mesmo que as notas sejam dissonantes e as letras desconhecidas. Entre 28 de janeiro e 2 de fevereiro de 2020, a equipe do Instituto Tricontinental de Pesquisa Social e da Assembleia Internacional dos Povos participou de um encontro sobre arte e cultura nas lutas populares, em Cuernavaca, México. Essa reunião se baseou tanta na tradição da arte de libertação nacional como na urgência de fazer arte a partir das lutas populares que se desenvolvem agora no mundo.

Leia mais

 

Nas Ruínas do Presente é apresentado os desafios que são postos pela globalização e o que estes desafios produzem em nossa sociedade. A primeira tentativa de resolver os problemas da globalização foi o neoliberalismo. Falhou. Em seguida veio o populismo cruel, que se expressa em termos estreitos e odiosos. Ele também falhará. A esquerda está fraca – diluída pela globalização. A necessidade do momento é a recomposição da esquerda, para que se torne uma força vital para uma humanidade frágil.

Nosso segundo Caderno analisa o processo de produção contemporâneo do iPhone da Apple. Vamos de uma visão da produção do aparelho ao funcionamento interno do lucro e da exploração. Nos interessamos não apenas pela Apple e pelo iPhone, mas particularmente na análise marxista da taxa de exploração em jogo na produção de aparelhos tão sofisticados. É necessário, acreditamos, aprender a calcular a taxa de exploração para que possamos saber precisamente quanto os trabalhadores e trabalhadoras contribuem com a geração de riqueza social total a cada ano.

Matérias primas minerais são necessárias em nossas vidas, mas quando essa vida se vê ameaçada por essas necessidades estruturais, é hora de começar a fazer perguntas. Por que 60% das empresas de mineração possuem suas sedes no Canadá? Nesse apontamento, damos detalhes financeiros de dez empresas mineradoras canadenses. Dados que se transformam em crimes corporativos quando lidos juntos com as mais horrendas violações cometidas – globalmente – por essas corporações. A acumulação de riquezas baseia-se em uma perversa indiferença à vida humana.

Com oito chapas presidenciais apresentadas, o MAS tem como candidatos Luis Arce Catacora, para a presidência, e David Choquehuanca Céspedes, como vice. O primeiro foi ministro de Economia dos governos de Morales e artífice de seu sucesso econômico; o segundo foi chanceler, gestor de sua política internacional soberana e uma referência para os movimentos indígenas e camponeses. As primeiras pesquisas de opinião dão uma vantagem importante ao MAS.

O movimento comunista indiano tem experimentado diversos formatos de policlínicas populares que oferecem atenção de saúde gratuita ou a baixo custo a qualquer pessoa. O epicentro dessa iniciativa está na região de idioma telugu, onde somente a Policlínica Popular de Nelore trata mil pacientes por dia a preços em média 40% menores que os cobrados pelos hospitais corporativos e formou mais de 500 médicos que dão atenção de saúde em toda a região. Nosso dossiê n. 25 do Instituto Tricontinental de Pesquisa Social se dedica a contar a história dessas policlínicas.

Tal ódio não marcou as relações dos EUA com o Irã durante o reinado do Xá (1941-1979). Somente quando um nacionalista na economia chegou ao poder entre 1951 e 1953 e ameaçou nacionalizar a indústria petrolífera do Irã é que a CIA, o Xá e a direita do exército iraniano se posicionaram contra ele. Durante esse período, os reis sauditas e o Xá iraniano uniram-se em uma causa comum contra movimentos populares e comunistas.

Os dois termos que definem nossa época são “crise” e “protestos”; o primeiro é resultado de um sistema mundial que se esgotou, enquanto o segundo expressa um clamor pelo futuro. Nosso dossiê de janeiro se dedica a oferecer uma análise de conjuntura – em que pé está o mundo hoje? Iniciamos este ano com uma avaliação detalhada da austeridade, da ordem mundial bipolar, da exaustão do neoliberalismo e de um planeta de protesto.

National Indigenous March, May 2016

Para Colômbia e para os povos de Nuestra América, a paz assume uma complexidade que põe em tensão o conjunto do cenário político e é um eixo central da disputa entre o neoliberalismo e as aspirações populares. Neste novo dossiê do Instituto Tricontinental examinamos as causas estruturais do conflito social, político e armado colombiano e como o país se constituiu em um agente chave na disputa geopolítica regional a favor dos interesses dos EUA.

O dossiê 22 nos apresenta os desafios que enfrentam os movimentos populares da América Latina e Caribe no contexto de uma nova avançada do imperialismo, da direita e dos projetos neoliberais na região. Essas políticas possuem efeitos graves para os povos e têm corroído a legitimidade dos governos que as impulsionam, desenvolvendo novos processos de luta popular e mobilizações, levantes, protestos e resistências. Nesse contexto, é necessário para o pensamento crítico latino-americano refletir sobre os métodos e a capacidade de promover uma subjetividade alternativa antineoliberal, antirracista, antipatriarcal e anticapitalista.